NOTÍCIAS

EUA e 11 países chegam a acordo histórico sobre comércio no Pacífico

07/10/2015 - Mercado

Fonte:G1

Ministros do Comércio da região do Oceano Pacífico acertaram o mais profundo acordo de liberalização do comércio em uma geração, que pode resultar no maior bloco econômico da história. O pacto, que deve ser anunciado nesta segunda (5), irá cortar barreiras comerciais e definir padrões comuns a 12 países (veja a relação dos países abaixo). O objetivo é eliminar tarifas entre esses países para a comercialização de determinados bens e serviços.

Segundo a Reuters, os líderes das nações do Pacífico estão prestes a anunciar o pacto, que pode influenciar desde o preço do queijo ao custo de tratamentos de câncer.

O Tratado de Livre Comércio Trans-Pacífico (TPP, na sigla em inglês) pode afetar 40% da economia global e pode se estabelecer como uma conquista e legado para o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, caso seja ratificado pelo Congresso norte-americano. Parlamentares dos outros países da TPP também têm que aprovar o acordo.

Obama disse que o acordo comercial vai "nivelar o campo de jogo" para trabalhadores e empresários norte-americanos, diz a Reuters. Obama chegou a fazer campanha defendendo a TPP. Em um comunicado divulgado nesta segunda, o presidente afirmou que os norte-americanos terão meses para ler o acordo antes que ele se torne lei.

OMC e FMI elogiam acordo

Parceria Transpacífico (TPP, na sigla em inglês) pode afetar 40% da economia global. (Foto: Reuters)

O diretor-geral da Organização Mundial do Comércio, o brasileiro Roberto Azevedo, parabenizou os negociadores e ministros dos países envolvidos no acordo. Ele disse que alcançar o pacto dentre "uma variedade de questões difíceis prova que os acordos comerciais podem ser alcançados entre os membros da entidade".

Segundo Azevedo, o TPP vai fazer com que os membros da OMC acelerem o trabalho para que os acordos em negociação sejam alcançados até a 10ª Conferência Ministerial em Nairobi, marcada para acontecer entre 15 e 18 de dezembro.

Já a diretora-gerente do FMI, Christine Lagarde, enviou nota à imprensa afimando que o acordo é "muito positivo". "Tenho pedido por uma política de melhoria para evitar um novo crescimento medíocre da economia global, e reacender o comércio é um componente essencial dessa agenda."

Lagarde afirmou que seria necessário revisar todos os detalhes do acordo para fazer uma análise mais abrangente de seus possíveis impactos econômicos, mas disse esperar que o TPP "possa abrir o caminho para uma nova geração de esforços de integração comercial".

"Eu encorajo outros países para renovarem seus esforços para concluir negociações em andamento e a comunidade internacional mais ampla para reacender iniciativas multilaterais de comércio para garantir um sistema de comércio global coeso".

Preços dos medicamentos podem ser afetados por acordo comercial entre 12 países (Foto: Reuters/Srdjan Zivulovic/Files)

Bloco pode gerar US$ 223 bilhões por ano
O bloco de países reúne 40% do PIB mundial e tem 793 milhões de consumidores. A expectativa é que, se o acordo realmente sair, o pacto movimente, a partir de 2025, US$ 223 bilhões por ano.

Para os Estados Unidos, esta não é apenas uma oportunidade apenas de ampliar seu comércio. Mas também uma maneira de dimunir a influência da China na Ásia. É claro que nem todo mundo nos EUA é a favor do acordo. Muita gente acredita que ele pode fechar postos de trabalho.

Relação dos países que fecharam o acordo
Estados Unidos
Austrália
Brunei
Canadá
Chile
Japão
Malásia
México
Nova Zelândia
Peru
Cingapura
Vietnã

A rodada final de negociações em Atlanta (EUA), que começou na quarta-feira (30), tem se debruçado sobre a definição do período de monopólio de novos medicamentos de biotecnologia, até que os Estados Unidos e a Austrália negociem um acordo.

A TPP tem sido controversa porque as negociações secretas que ocorreram nos últimos cinco anos foram percebidas como uma ameaça para uma série de grupos de interesse, das montadoras mexicanas aos fazendeiros canadenses.

Setores democratas importantes, do partido do presidente Barack Obama, não queriam o acordo. Mas em abril, em um momento raro no Congresso norte-americano, o Partido Democrata e a oposição republicana sinalizaram que dariam carta branca para Obama concluir as negociações do que poderá ser o maior bloco comercial do planeta.

Manifestantes protestam em frente ao local das reuniões sobre o TPP, em Atlanta, EUA, na última quarta (30) (Foto: REUTERS/Tami Chappell)

Protesto contra o acordo
No último dia 30, manifestantes do Public Citizen's Global Access to Medicine protestaram em frente ao local onde acontecem as reuniões sobre o acordo em Atlanta, no estado norte-americano da Georgia, de acordo com a Reuters. Segundo um dos membros  do grupo, Peter Maybarduk, o TPP não se estende ao monopólio de drogas que negam alternativas mais baratas de remédios aos pacientes.


COMPARTILHE

DEIXE SEU COMENTÁRIO